DESENHOS SÃO PARA A GENTE FOLHEAR, SÃO PARA SEREM LIDOS QUE NEM POESIAS, SÃO HAICAIS, SÃO RUBAES, SÃO QUADRINHAS E SONETOS.
Mário de Andrade, "Do desenho"

13 de set de 2016

Combatendo o Aedes


   

15 de fev de 2016

22 de set de 2015

PUBLICIDADE E INTERVENÇÃO.

A publicidade também se conecta com a "arte de rua". Leia os dois textos a seguir, que fazem parte de uma reportagem publicada pela Folha de S. Paulo de 3 de julho de 2006.

BRIGA DE RUA
Publicidade usa estratégias de "arte de rua" e artistas "revidam" em intervenções.
Por Rafael Cariello e Tereza Novaes (da reportagem local)

A arte e a propaganda estão nas ruas, disputando o espaço público (e o privado também).

O "confronto" na cidade é resultado, pelo lado da propaganda, da adoção de estratégias de divulgação não-convencionais, com empréstimos (bastante diluídos) de formas artísticas tradicionalmente consideradas "transgressoras"-como o grafite e a performance de rua.

É cada vez mais frequente encontrar nas grandes cidades do Brasil pichações em muros e postes que fazem a divulgação de produtos, de novos modelos de celulares a filmes em cartaz. Outro recurso é criar "acontecimentos" performáticos inusitados para gerar curiosidade nos consumidores.

Recentemente, em São Paulo, a agência Avalanche criou uma "performance" para promover uma revista que tinha como lema a defesa de "boas emoções". Escalou grupos de 30 pessoas para percorrerem a avenida Paulista, misturando-se aos outros pedestres, e de tempos em tempos se "congelarem" em meio à agitação local.

Paravam todos nas calçadas, nos cruzamentos, nas faixas de pedestres em "protesto", diz sócio da agência João Fernando Camargo, "contra a violência, crises, tragédias".

Manifestantes profissionais

Os mesmos publicitários realizaram outro ato que gerou estranhamento no centro da cidade. Contrataram "manifestantes" profissionais para, por três dias, realizarem passeatas que exigiam a instalação de uma academia de ginástica na região. Só ao final dos "protestos" é, que por meio de divulgação tradicional, ficou claro que os protestos-performance na verdade eram uma ação publicitária para o lançamento da academia exigida.

Noutro exemplo, a Espalhe, agência que também faz empréstimos de "arte de rua" para vender seus produtos coordenou uma campanha para uma série de suspense da TV paga em que desenhava perfis de corpos humanos a giz nas ruas de São Paulo, simulando as marcações da polícia americana em locais de assassinatos.

A ideia, diz Camargo, é que "tudo é mídia", como os publicitários se referem aos meios de suporte de seus anúncios (sejam eles outdoors, páginas de revistas ou a tela da TV), e que as mídias tradicionais estão saturadas e não prendem mais a atenção dos consumidores.

" A ideia é levar a propaganda para o dia-a-dia, sair da moldura do outdoor, da TV e dialogar com as pessoas", defende o publicitário. "Há uma saturação dos meios tradicionais, além do custo ter aumentando." 

Tanto Camargo quanto Gustavo Fortes, sócio da Espalhe, dizem que o uso de "arte de rua" ou de meios não-convencionais para a propaganda ainda é escasso, já que as agências vivem dos gastos de mídia tradicional, cobrando de seus clientes pelo espaço comprado em TV, jornal ou outdoor.

A nova tendência também é limitada pelo uso vagaroso, atrasado - mas inevitável - que a propaganda sempre faz de formas artísticas. "Isso [a expansão para a rua] começou na arte nos anos 70. A propaganda é que foi reticente e demorou a incorporar a ideia a suas estratégias", afirma Camargo.

Pelo lado da arte, trata-se de mais um questionamento de seus limites formais e da incorporação de práticas antes marginais (como grafite).

Um dos exemplos brasileiros mais característicos dessa tomada das ruas pelas obras está no vídeo "Atentado", que registra as "pinturas" sobre outdoors feitas pelo artista paulistano Eduardo Srur, 32. Ele dispôs bexigas cheias de tinta sobre outdoors e depois usou pavio e bombinhas para estourá-las. As imagens das propagandas serviram de base da "obra".

O artista alterou o visual de 40 outdoors de São Paulo. As ações de Srur nãe eram autorizadas e os cartazes foram substituídos. O vídeo de três minutos e meio de duração, integra a exposição "Paradoxos Brasil", em cartaz no Paço Imperial, no Rio, e também está em exibição numa mostra aberta nesta semana em Dijon , na França.

CIDADE-ESTÚDIO

Para ele, que iniciou a carreira pela pintura, o "Atentado" é "expansão" de seu trabalho.

"A cidade virou meu estúdio. Não acho que a arte tenha que buscar um confronto com a mídia exterior. A cidade é uma fronteira a ser explorada. Para mim, é difícil desenvolver trabalhos dentro do cubo branco."

O criador do Wooster Collective, galeria virtual que apresenta obras de arte de rua de todo mundo, Marc Schiller (leia texto abaixo), sintetiza a diferença entre os usos que a arte e a propaganda fazem dos muros e das ruas da seguinte maneira: " Trata-se, para a arte, de se reapropriar do espaço público, da cidade, enquanto a propaganda trata de comprá-lo".

Marcelo Cidade, artista selecionado para a próxima Bienal de São Paulo, diz que "há na arte hoje uma relação com o espaço urbano, que está todo ocupado pela publicidade".

O artista, que também é grafiteiro (e considera a prática "vandalismo"), observa que "a publicidade está usando as táticas dos grafiteiros para ganhar espaço sem gastar dinheiro".

Um exemplo recente que ainda está nas ruas de São Paulo é o do filme "A Concepção", cujo logotipo foi espalhado com spray em postes, muros e caixas de energia. A produtora do filme não reconhece a autoria da "campanha" nem sabe dizer se a mídia ajudou ou não,

"ARTE QUER SE REAPROPRIAR DAS RUAS"
Reportagem local

Marc Schiller, 41, criador da galeria virtual Wooster Collective (www.woostercollective.com), defende que a intervenção artística em propagandas no espaço urbano, como a realizada por Eduardo Srur, é uma das formas por excelência da arte de rua.

De acordo com Schiller, a essência desse tipo de manifestação está na retomada (e na conquista) do espaço público. Sua forma mais tradicional é o grafite. Já a essência da propaganda, continua, é a compra do espaço público.

"Se você se reapropriar de um espaço que havia sido comprado", ele diz, em referência aos outdoors, "isso é reapropriação ao máximo". Schiller afirma que o recurso da propaganda a formas de arte de rua, como o grafite, é "uma tendência global", porque as mídias tradicionais "têm se tornado cada vez mais ineficazes".

"Os publicitários tentam explorar modos não-tradicionais para atingir as pessoas. A arte de rua é um bom recurso porque é energética e consegue impactar as pessoas", diz.

"Mas não é arte, não é grafite, é uma imitação", diz o "curador" sobre essas novas formas de propaganda.

Ele cita o exemplo específico do grafite, que, para ele, por definição, não pode ser pago ou legalizado, já que parte de sua realização é a conquista de um local - o que a compra perverteria completamente. 

REFLETINDO PARA COMENTAR:

- Por que a publicidade vem utilizando estratégias da "arte de rua"?

- O fato de a publicidade usar estratégias de "arte de rua" faz com que ela possa ser considerada arte? Justifique sua resposta.

- Você considera legítimo o uso de publicidade na rua, em outros suportes que não outdoors, tal como relatados nos textos? Justifique.

- E a intervençãodo artista no outdoor, você considera legitíma?

- Registre o sprincipais pontos dessa discussão em seu caderno.
 

12 de fev de 2015

A ARTE DA LEMBRANÇA - A SAUDADE NA FOTOGRAFIA BRASILEIRA

Link da Exposição: "A Arte da Lembrança - A Saudade na Fotografia Brasileira" para os alunos da Escola Estadual Professora Benedita Garcia da Cruz que queiram participar de nossa visita monitorada que acontecerá no dia 25 de fevereiro de 2015.



FILME: PARANAPIACABA TREKKING

Passeio ecológico realizado por funcionários da Escola Estadual Professora Benedita Garcia da Cruz na região de Paranapiacaba (Santo André) e Cubatão - SP, no dia 24 de janeiro de 2015. Filmagem e edição: Fabiano Andrade. 



22 de ago de 2013

ESTUDO: PLANTAS E FLORES - FOTOGRAFIA









ROTEIROS CULTURAIS - 2013

Alunos dos segundos e terceiros anos do Ensino Médio, aumentando o repertório cultural, conhecendo novos lugares, lendo e contextualizando diferentes manifestações artísticas e preparando-se para o vestibular.
Visitas - 2013: Itaú Cultural (Mostra Cao Guimarães), Pinacoteca do Estado de São Paulo, Itaú Cultural (Waldemar Cordeiro) e por ai vem mais....

                                          Exposição: Waldemar Cordeiro - fantasia exata
                                         
                                          Exposição: Cao Guimarães "ver é uma fábula"

1 de jul de 2013

" O OLHAR COTIDIANO II"

Após uma visita monitorada à exposição "Ver é uma fábula" do cineasta e fotografo Cao Guimarães no Instituto Cultural Itáu (São Paulo), os alunos do terceiro ano "A" do Ensino Médio, da Escola Estadual Professora Benedita Garcia da Cruz (Poá), partiram para a prática fotográfica, visando o maior acúmulo possível de imagens para a criação de uma videoinstalação, refletindo na possibilidade de um novo olhar em relação ao cotidiano escolar. A previsão de montagem do trabalho é para o mês de agosto de 2013. Segue algumas fotografias deste trabalho, por enquanto sem referência aos seus autores. Em breve, postaremos aqui o projeto finalizado.
















Agradecimentos: Professor Milton Bueno e professor Sergio Lucas pela organização e apoio durante a visita  e a professora mediadora Maria Socorro pelos contatos e agendamentos.

26 de mai de 2012

CARTA DA TERRA

PREÂMBULO
Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a humanidade deve escolher o seu futuro. À medida que o mundo torna-se cada vez mais interdependente e frágil, o futuro reserva, ao mesmo tempo, grande perigo e grande esperança. Para seguir adiante, devemos reconhecer que, no meio de uma magnífica diversidade de culturas e formas de vida, somos uma família humana e uma comunidade terrestre com um destino comum. Devemos nos juntar para gerar uma sociedade sustentável global fundada no respeito pela natureza, nos direitos humanos universais, na justiça econômica e numa cultura da paz. Para chegar a este propósito, é imperativo que nós, os povos da Terra, declaremos nossa responsabilidade uns para com os outros, com a grande comunidade de vida e com as futuras gerações.

TERRA, NOSSO LAR
A humanidade é parte de um vasto universo em evolução. A Terra, nosso lar, é viva como uma comunidade de vida incomparável. As forças da natureza fazem da existência uma aventura exigente e incerta, mas a Terra providenciou as condições essenciais para a evolução da vida. A capacidade de recuperação da comunidade de vida e o bem-estar da humanidade dependem da preservação de uma biosfera saudável com todos seus sistemas ecológicos, uma rica variedade de plantas e animais, solos férteis, águas puras e ar limpo. O meio ambiente global com seus recursos finitos é uma preocupação comum de todos os povos. A proteção da vitalidade, diversidade e beleza da Terra é um dever sagrado.

A SITUAÇÃO GLOBAL
Os padrões dominantes de produção e consumo estão causando devastação ambiental, esgotamento dos recursos e uma massiva extinção de espécies. Comunidades estão sendo arruinadas. Os benefícios do desenvolvimento não estão sendo divididos eqüitativamente e a diferença entre ricos e pobres está aumentando. A injustiça, a pobreza, a ignorância e os conflitos violentos têm aumentado e são causas de grande sofrimento. O crescimento sem precedentes da população humana tem sobrecarregado os sistemas ecológico e social. As bases da segurança global estão ameaçadas. Essas tendências são perigosas, mas não inevitáveis.

DESAFIOS FUTUROS
A escolha é nossa: formar uma aliança global para cuidar da Terra e uns dos outros ou arriscar a nossa destruição e a da diversidade da vida. São necessárias mudanças fundamentais em nossos valores, instituições e modos de vida. Devemos entender que, quando as necessidades básicas forem supridas, o desenvolvimento humano será primariamente voltado a ser mais e não a ter mais. Temos o conhecimento e a tecnologia necessários para abastecer a todos e reduzir nossos impactos no meio ambiente. O surgimento de uma sociedade civil global está criando novas oportunidades para construir um mundo democrático e humano. Nossos desafios ambientais, econômicos, políticos, sociais e espirituais estão interligados e juntos podemos forjar soluções inclusivas.

RESPONSABILIDADE UNIVERSAL
Para realizar estas aspirações, devemos decidir viver com um sentido de responsabilidade universal, identificando-nos com a comunidade terrestre como um todo, bem como com nossas comunidades locais. Somos, ao mesmo tempo, cidadãos de nações diferentes e de um mundo no qual as dimensões local e global estão ligadas. Cada um compartilha responsabilidade pelo presente e pelo futuro bem-estar da família humana e de todo o mundo dos seres vivos. O espírito de solidariedade humana e de parentesco com toda a vida é fortalecido quando vivemos com reverência o mistério da existência, com gratidão pelo dom da vida e com humildade em relação ao lugar que o ser humano ocupa na natureza.
Necessitamos com urgência de uma visão compartilhada de valores básicos para proporcionar um fundamento ético à comunidade mundial emergente. Portanto, juntos na esperança, afirmamos os seguintes princípios, interdependentes, visando a um modo de vida sustentável como padrão comum, através dos quais a conduta de todos os indivíduos, organizações, empresas, governos e instituições transnacionais será dirigida e avaliada.

PRINCÍPIOS

I. RESPEITAR E CUIDAR DA COMUNIDADE DE VIDA

1. Respeitar a Terra e a vida em toda sua diversidade.
  1. Reconhecer que todos os seres são interdependentes e cada forma de vida tem valor, independentemente de sua utilidade para os seres humanos.
  2. Afirmar a fé na dignidade inerente de todos os seres humanos e no potencial intelectual, artístico, ético e espiritual da humanidade.
2. Cuidar da comunidade da vida com compreensão, compaixão e amor.
  1. Aceitar que, com o direito de possuir, administrar e usar os recursos naturais, vem o dever de prevenir os danos ao meio ambiente e de proteger os direitos das pessoas.
  2. Assumir que, com o aumento da liberdade, dos conhecimentos e do poder, vem a
    maior responsabilidade de promover o bem comum.
3. Construir sociedades democráticas que sejam justas, participativas, sustentáveis e pacíficas.
  1. Assegurar que as comunidades em todos os níveis garantam os direitos humanos e as liberdades fundamentais e proporcionem a cada pessoa a oportunidade de realizar seu pleno potencial.
  2. Promover a justiça econômica e social, propiciando a todos a obtenção de uma condição de vida significativa e segura, que seja ecologicamente responsável.
4. Assegurar a generosidade e a beleza da Terra para as atuais e às futuras gerações.
  1. Reconhecer que a liberdade de ação de cada geração é condicionada pelas necessidades das gerações futuras.
  2. Transmitir às futuras gerações valores, tradições e instituições que apóiem a prosperidade das comunidades humanas e ecológicas da Terra a longo prazo.
II. INTEGRIDADE ECOLÓGICA
      
5. Proteger e restaurar a integridade dos sistemas ecológicos da Terra, com especial atenção à diversidade biológica e aos processos naturais que sustentam a vida.
  1. Adotar, em todos os níveis, planos e regulamentações de desenvolvimento sustentável que façam com que a conservação e a reabilitação ambiental sejam parte integral de todas as iniciativas de desenvolvimento.
  2. stabelecer e proteger reservas naturais e da biosfera viáveis, incluindo terras selvagens e áreas marinhas, para proteger os sistemas de sustento à vida da Terra, manter a biodiversidade e preservar nossa herança natural.
  3. Promover a recuperação de espécies e ecossistemas ameaçados.
  4. Controlar e erradicar organismos não-nativos ou modificados geneticamente que
    causem dano às espécies nativas e ao meio ambiente e impedir a introdução desses
    organismos prejudiciais.
  5. Administrar o uso de recursos renováveis como água, solo, produtos florestais e vida marinha de forma que não excedam às taxas de regeneração e que protejam a saúde dos ecossistemas.
  6. Administrar a extração e o uso de recursos não-renováveis, como minerais e combustíveis fósseis de forma que minimizem o esgotamento e não causem dano ambiental grave.
6. Prevenir o dano ao ambiente como o melhor método de proteção ambiental e, quando o conhecimento for limitado, assumir uma postura de precaução.
  1. Agir para evitar a possibilidade de danos ambientais sérios ou irreversíveis, mesmo quando o conhecimento científico for incompleto ou não-conclusivo.
  2. Impor o ônus da prova naqueles que afirmarem que a atividade proposta não causará dano significativo e fazer com que as partes interessadas sejam responsabilizadas pelo dano ambiental.
  3. Assegurar que as tomadas de decisão considerem as conseqüências cumulativas, a longo prazo, indiretas, de longo alcance e globais das atividades humanas.
  4. Impedir a poluição de qualquer parte do meio ambiente e não permitir o aumento de substâncias radioativas, tóxicas ou outras substâncias perigosas.
  5. Evitar atividades militares que causem dano ao meio ambiente.
7. Adotar padrões de produção, consumo e reprodução que protejam as capacidades regenerativas da Terra, os direitos humanos e o bem-estar comunitário.
  1. Reduzir, reutilizar e reciclar materiais usados nos sistemas de produção e consumo e garantir que os resíduos possam ser assimilados pelos sistemas ecológicos.
  2. Atuar com moderação e eficiência no uso de energia e contar cada vez mais com fontes energéticas renováveis, como a energia solar e do vento.
  3. Promover o desenvolvimento, a adoção e a transferência eqüitativa de tecnologias
    ambientais seguras.
  4. Incluir totalmente os custos ambientais e sociais de bens e serviços no preço de venda e habilitar os consumidores a identificar produtos que satisfaçam às mais altas normas sociais e ambientais.
  5. Garantir acesso universal à assistência de saúde que fomente a saúde reprodutiva e a reprodução responsável.
  6. Adotar estilos de vida que acentuem a qualidade de vida e subsistência material num mundo finito.
8. Avançar o estudo da sustentabilidade ecológica e promover o intercâmbio aberto e aplicação ampla do conhecimento adquirido.
  1. Apoiar a cooperação científica e técnica internacional relacionada à sustentabilidade, com especial atenção às necessidades das nações em desenvolvimento.
  2. Reconhecer e preservar os conhecimentos tradicionais e a sabedoria espiritual em todas as culturas que contribuem para a proteção ambiental e o bem-estar humano.
  3. Garantir que informações de vital importância para a saúde humana e para a proteção ambiental, incluindo informação genética, permaneçam disponíveis ao domínio público.
III. JUSTIÇA SOCIAL E ECONÔMICA

9. Erradicar a pobreza como um imperativo ético, social e ambiental.
  1. Garantir o direito à água potável, ao ar puro, à segurança alimentar, aos solos não contaminados, ao abrigo e saneamento seguro, alocando os recursos nacionais e internacionais demandados.
  2. Prover cada ser humano de educação e recursos para assegurar uma condição de vida sustentável e proporcionar seguro social e segurança coletiva aos que não são capazes de se manter por conta própria.
  3. Reconhecer os ignorados, proteger os vulneráveis, servir àqueles que sofrem e habilitá-los a desenvolverem suas capacidades e alcançarem suas aspirações.
10. Garantir que as atividades e instituições econômicas em todos os níveis promovam o desenvolvimento humano de forma eqüitativa e sustentável.
  1. Promover a distribuição eqüitativa da riqueza dentro das e entre as nações.
  2. Incrementar os recursos intelectuais, financeiros, técnicos e sociais das nações em desenvolvimento e liberá-las de dívidas internacionais onerosas.
  3. Assegurar que todas as transações comerciais apóiem o uso de recursos sustentáveis, a proteção ambiental e normas trabalhistas progressistas.
  4. Exigir que corporações multinacionais e organizações financeiras internacionais
    atuem com transparência em benefício do bem comum e responsabilizá-las pelas
    conseqüências de suas atividades.
11. Afirmar a igualdade e a eqüidade dos gêneros como pré-requisitos para o desenvolvimento sustentável e assegurar o acesso universal à educação, assistência de saúde e às oportunidades econômicas.
  1. Assegurar os direitos humanos das mulheres e das meninas e acabar com toda violência contra elas.
  2. Promover a participação ativa das mulheres em todos os aspectos da vida econômica, política, civil, social e cultural como parceiras plenas e paritárias, tomadoras de decisão, líderes e beneficiárias.
  3. Fortalecer as famílias e garantir a segurança e o carinho de todos os membros da
    família.
12. Defender, sem discriminação, os direitos de todas as pessoas a um ambiente natural e social capaz de assegurar a dignidade humana, a saúde corporal e o bem-estar espiritual, com especial atenção aos direitos dos povos indígenas e minorias.
  1. Eliminar a discriminação em todas as suas formas, como as baseadas em raça, cor, gênero, orientação sexual, religião, idioma e origem nacional, étnica ou social.
  2. Afirmar o direito dos povos indígenas à sua espiritualidade, conhecimentos, terras e recursos, assim como às suas práticas relacionadas com condições de vida sustentáveis.
  3. Honrar e apoiar os jovens das nossas comunidades, habilitando-os a cumprir seu
    papel essencial na criação de sociedades sustentáveis.
  4. Proteger e restaurar lugares notáveis pelo significado cultural e espiritual.
IV. DEMOCRACIA, NÃO-VIOLÊNCIA E PAZ

13. Fortalecer as instituições democráticas em todos os níveis e prover transparência e responsabilização no exercício do governo, participação inclusiva na tomada de decisões e acesso à justiça.
  1. Defender o direito de todas as pessoas receberem informação clara e oportuna sobre assuntos ambientais e todos os planos de desenvolvimento e atividades que possam afetá-las ou nos quais tenham interesse.
  2. Apoiar sociedades civis locais, regionais e globais e promover a participação significativa de todos os indivíduos e organizações interessados na tomada de decisões.
  3. Proteger os direitos à liberdade de opinião, de expressão, de reunião pacífica, de associação e de oposição.
  4. Instituir o acesso efetivo e eficiente a procedimentos judiciais administrativos e independentes, incluindo retificação e compensação por danos ambientais e pela ameaça de tais danos.
  5. Eliminar a corrupção em todas as instituições públicas e privadas.
  6. Fortalecer as comunidades locais, habilitando-as a cuidar dos seus próprios ambientes, e atribuir responsabilidades ambientais aos níveis governamentais onde possam ser cumpridas mais efetivamente.
14. Integrar, na educação formal e na aprendizagem ao longo da vida, os conhecimentos, valores e habilidades necessárias para um modo de vida sustentável.
  1. Prover a todos, especialmente a crianças e jovens, oportunidades educativas que lhes permitam contribuir ativamente para o desenvolvimento sustentável.
  2. Promover a contribuição das artes e humanidades, assim como das ciências, na educação para sustentabilidade.
  3. Intensificar o papel dos meios de comunicação de massa no aumento da conscientização sobre os desafios ecológicos e sociais.
  4. Reconhecer a importância da educação moral e espiritual para uma condição de vida sustentável.
15. Tratar todos os seres vivos com respeito e consideração.
  1. Impedir crueldades aos animais mantidos em sociedades humanas e protegê-los de sofrimento.
  2. Proteger animais selvagens de métodos de caça, armadilhas e pesca que causem sofrimento extremo, prolongado ou evitável.
  3. Evitar ou eliminar ao máximo possível a captura ou destruição de espécies não visadas.
16. Promover uma cultura de tolerância, não-violência e paz.
  1. Estimular e apoiar o entendimento mútuo, a solidariedade e a cooperação entre todas as pessoas, dentro das e entre as nações.
  2. Implementar estratégias amplas para prevenir conflitos violentos e usar a colaboração na resolução de problemas para administrar e resolver conflitos ambientais e outras disputas.
  3. Desmilitarizar os sistemas de segurança nacional até o nível de uma postura defensiva não-provocativa e converter os recursos militares para propósitos pacíficos, incluindo restauração ecológica.
  4. Eliminar armas nucleares, biológicas e tóxicas e outras armas de destruição em
    massa.
  5. Assegurar que o uso do espaço orbital e cósmico ajude a proteção ambiental e a paz.
  6. Reconhecer que a paz é a plenitude criada por relações corretas consigo mesmo, com outras pessoas, outras culturas, outras vidas, com a Terra e com a totalidade maior da qual somos parte.
O CAMINHO ADIANTE
Como nunca antes na História, o destino comum nos conclama a buscar um novo começo. Tal renovação é a promessa destes princípios da Carta da Terra. Para cumprir esta promessa, temos que nos comprometer a adotar e promover os valores e objetivos da Carta.
Isto requer uma mudança na mente e no coração. Requer um novo sentido de interdependência global e de responsabilidade universal. Devemos desenvolver e aplicar com imaginação a visão de um modo de vida sustentável nos níveis local, nacional, regional e global. Nossa diversidade cultural é uma herança preciosa e diferentes culturas encontrarão suas próprias e distintas formas de realizar esta visão. Devemos aprofundar e expandir o diálogo global que gerou a Carta da Terra, porque temos muito que aprender a partir da busca conjunta em andamento por verdade e sabedoria.
A vida muitas vezes envolve tensões entre valores importantes. Isto pode significar escolhas difíceis. Entretanto, necessitamos encontrar caminhos para harmonizar a diversidade com a unidade, o exercício da liberdade com o bem comum, objetivos de curto prazo com metas de longo prazo. Todo indivíduo, família, organização e comunidade tem um papel vital a desempenhar. As artes, as ciências, as religiões, as instituições educativas, os meios de comunicação, as empresas, as organizações não-governamentais e os governos são todos chamados a oferecer uma liderança criativa. A parceria entre governo, sociedade civil e empresas é essencial para uma governabilidade efetiva.
Para construir uma comunidade global sustentável, as nações do mundo devem renovar seu compromisso com as Nações Unidas, cumprir com suas obrigações respeitando os acordos internacionais existentes e apoiar a implementação dos princípios da Carta da Terra com um instrumento internacionalmente legalizado e contratual sobre o ambiente e o desenvolvimento.
Que o nosso tempo seja lembrado pelo despertar de uma nova reverência face à vida, pelo compromisso firme de alcançar a sustentabilidade, a intensificação dos esforços pela justiça e pela paz e a alegre celebração da vida.

13 de mai de 2012

ESBOÇO: DESENHO DE FIGURA HUMANA

Maria Luiza com 01 ano.
Caneta sobre papel - 2012.


12 de mai de 2012

ESBOÇO

Esboço para trabalho em madeira.
Fernando de Noronha em um emaranhado de linhas.
Caneta sobre papel. 2012.

13 de fev de 2012

EXPANSÃO (EXERCÍCIO DE DESENHO)

Depois de uma larga discussão sobre patrimônio cultural, crescimento demográfico, tecnológico e industrial da cidade de São Paulo e de uma leitura histórica e contextualizada da obra "São Paulo - 1924" de Tarsila do Amaral, os alunos do 1º ano do Ensino Médio desenvolveram algumas atividades de desenho sobre o tema. Destaco algumas:
Digamos que é só um aquecimento para o ano de 2012.

28 de jan de 2012

INTERVENÇÕES - 8ª SÉRIE - POÁ/SP

Intervenções artísticas desenvolvidas com alunos da 8ª série da Escola Estadual Professora Benedita Garcia da Cruz, município de Poá.